Home / Notícias / Ozônio no Ártico atingiu um nível recorde de baixa

Ozônio no Ártico atingiu um nível recorde de baixa

Publicado por: Rosano Almeida
A retração da camada de ozônio, o escudo que protege a vida na Terra contra níveis perigosos de radiação ultravioleta, atingiu um nível recorde em grande parte do Ártico durante a primavera do Hemisfério Norte (outono, no Brasil). Esse fenômeno foi causado pela presença contínua de substâncias destruidoras da camada de ozônio na atmosfera e por um inverno muito frio na estratosfera (a camada da atmosfera entre cerca de 10 km e 50 km de altitude).

A última vez que foi observado um esgotamento de ozônio tão forte no Ártico, foi durante a primavera de 2011, mas de acordo com as estações de observações de ozônio global, da WMO (sigla em inglês para Organização Meteorológica Mundial), da NASA ( Administração Nacional da Aeronáutica e Espaço) e do ECMWF (Centro Europeu para Previsão de Médio Prazo), o redução da camada de ozônio em 2020 foi ainda mais forte.

O buraco na camada de ozônio foi fechado em abril com um aumento nas temperaturas estratosféricas que resultou em um influxo de ar rico em ozônio da atmosfera mais baixa.

O esgotamento teria sido ainda pior se não houvesse um acordo internacional bem-sucedido chamado Protocolo de Montreal, sobre substâncias que deterioram a camada de ozônio. Isso levou a uma eliminação gradual de substâncias como clorofluorcarbonetos (CFCs). Porém, a situação ainda é de atenção, já que eles permanecem na atmosfera por várias décadas e suas concentrações ainda são altas o suficiente para causar destruição severa do ozônio.

“A estratosfera do Ártico continua vulnerável a substâncias destruidoras da camada de ozônio ligadas às atividades humanas”, disse o secretário-geral da OMM, Petteri Taalas. Ainda de acordo com o secretário, o grau de perda de ozônio experimentado em qualquer inverno depende das condições meteorológicas. A perda de ozônio em 2020 mostra que precisamos ficar atentos, e as observações devem se manter de forma frequente.

“As estações de observação da atmosfera global da WMO no Ártico e na Antártica, nos fornecem alertas precoces em caso de baixo ozônio e níveis intensos de radiação UV. Prestamos homenagem aos serviços meteorológicos nacionais por continuarem monitorando a atmosfera vital e observando as atividades, apesar das restrições da era covid-19 “, disse Taalas.

Vórtice polar

A formação de um buraco na camada de ozônio é causada por temperaturas extremamente baixas (abaixo de -80°C), luz solar, campos de vento e produtos químicos prejudiciais. A maior parte da destruição do ozônio no Ártico ocorre dentro do chamado “vórtice polar”, que é uma região de ventos circulares que se intensificam no outono e isolam a massa de ar dentro do vórtice, mantendo-o muito frio.

Neste inverno (2019-2020), a severidade da retração do ozônio no Ártico foi apoiada por eventos de “ondas” atmosféricas superiores raramente fracas. Essas ondas conduzem massas de ar através da atmosfera superior, viajando para cima a partir da atmosfera inferior nas latitudes médias, que perturbam o vórtice ao redor do Ártico e trazem ar rico em ozônio de outras partes da estratosfera.

Além disso, o vórtice polar estratosférico sobre o Ártico era forte e combinado com temperaturas consistentemente muito baixas por um longo período de tempo, promovendo a criação de uma grande área de nuvens polares estratosféricas e os processos químicos que empobrecem o ozônio com o aparecimento do sol sobre o Ártico.

Como resultado dessas condições atmosféricas incomuns, as concentrações de ozônio acima do Ártico atingiram um recorde de baixa para o mês de março, diminuindo para menos de 220 unidades Dobson (unidade de medida da densidade atmosférica de ozônio), que normalmente são consideradas ‘níveis de buraco de ozônio’ no pico, até 205. Os valores mais baixos típicos de ozônio observados no Ártico em março são de pelo menos 240 unidades Dobson.

O aumento das temperaturas estratosféricas em abril fez com que o vórtice polar encolhesse e se dividisse em dois vórtices menores e separados, permitindo a mistura com o ar rico em ozônio da atmosfera mais baixa. O aquecimento de abril na estratosfera deu fim às condições que sustentam o necessário para as reações de esgotamento do ozônio, as nuvens estratosféricas polares e encerrou o evento de depleção.

Como as condições meteorológicas e as temperaturas são diferentes de ano para ano, a gravidade da destruição do ozônio também varia. Isso significa que grandes e ocasionais retrações do ozônio no Ártico ainda são possíveis.

A estratosfera do Ártico é geralmente menos isolada que a Antártica. As temperaturas estratosféricas no Ártico geralmente não caem tanto quanto na estratosfera Antártica, nem permanecem baixas por um longo período de tempo.

O buraco do ozônio no Ártico desta primavera teve uma extensão máxima muito menor em comparação com a extensão típica do buraco antártico. O buraco de ozônio em 2019 na Antártica foi o menor já registrado desde que o buraco de ozônio foi descoberto pela primeira vez.

Os cientistas estão monitorando até que ponto as mudanças climáticas estão levando ao resfriamento estratosférico, o que aumenta as possibilidades de observação de temperaturas abaixo de -78 ° C, especialmente no Ártico. Esses são necessários para a formação de nuvens estratosféricas polares.

Radiação UV

A Rede Global de Observação da Atmosfera da Organização Meteorológica Mundial (WMO, na sigla em inglês) tem estações no Ártico que estão realizando medições de alta qualidade da radiação do ozônio e da radiação ultravioleta (UV).

As condições para 2020 são semelhantes à primavera de 2011, quando as perdas de ozônio no Ártico foram próximas de 50%. A retração do ozônio do Ártico levou a um aumento da radiação UV na superfície na primavera de 2011, com os cientistas observando um aumento de 60% no índice de UV no Ártico canadense e um aumento ainda maior no norte da Europa.

Além disso, a redução do ozônio no Ártico afeta o orçamento total de ozônio, resultando em um aumento dos níveis de UV no verão em relação ao Canadá e à Europa. A cada ano, com base nos níveis de ozônio na primavera, é fornecida ao público uma perspectiva sazonal de UV no verão em diferentes países.

Protocolo de Montreal

A mais recente avaliação científica da retração do ozônio da Organização Meteorológica Mundial e do Programa Ambiental da ONU, mostra que a camada de ozônio em partes da estratosfera se recuperou a uma taxa de 1 a 3% por década desde 2000. Nas taxas projetadas, o Hemisfério Norte e Ártico espera-se que o ozônio de latitude se cure completamente antes de meados do século (~ 2035), seguido pelo hemisfério sul em meados de latitude por volta de meados do século e região antártica em 2060.

Sem o Protocolo de Montreal, a destruição de ozônio deste ano provavelmente teria sido pior. Substâncias que destroem o ozônio, como clorofluorcarbonetos (CFCs) e halons, uma vez presentes em geladeiras, latas de spray e extintores de incêndio, foram eliminadas gradualmente no Protocolo de Montreal. No entanto, as medições e análises atmosféricas permitiram detectar as renovadas emissões de algumas das substâncias controladas, enfatizando a importância das observações com mais frequência.

Sobre a Climatempo

Com solidez de 30 anos de mercado e fornecendo assessoria meteorológica de qualidade para os principais segmentos, a Climatempo é sinônimo de inovação. Foi a primeira empresa privada a oferecer análises customizadas para diversos setores do mercado, boletins informativos para meios de comunicação, canal 24 horas nas principais operadoras de TV por assinatura e posicionamento digital consolidado com website e aplicativos, que juntos somam 20 milhões de usuários mensais.

Em 2015, passou a investir ainda mais em tecnologia e inovação com a instalação do LABS Climatempo no Parque Tecnológico de São José dos Campos (SP). O LABS atua na pesquisa e no desenvolvimento de soluções para tempo severo, energias renováveis (eólica e solar), hidrologia, comercialização e geração de energia, navegação interior, oceanografia e cidades inteligentes. Principal empresa de consultoria meteorológica do país, em 2019 a Climatempo uniu forças com a norueguesa StormGeo, líder global em inteligência meteorológica e soluções para suporte à decisão.

A fusão estratégica dá à Climatempo acesso a novos produtos e sistemas que irão fortalecer ainda mais suas competências e alcance, incluindo soluções focadas nos setores de serviços de energia renovável. O Grupo segue presidido pelo meteorologista Carlos Magno que, com mais de 35 anos de carreira, foi um dos primeiros comunicadores da profissão no país.
Assessoria de Comunicação da Climatempo

About rosano

Check Also

Sicredi doa EPIs para o Pronto-Socorro de Cuiabá, referência no tratamento de Covid-19

Cooperativa Sicredi Ouro Verde MT fez a doação de vários materiais, no valor aproximado de ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *