Home / Internacional / Índice de mortalidade infantil recua 51% em todo o mundo e 60% no Brasil, diz levantamento

Índice de mortalidade infantil recua 51% em todo o mundo e 60% no Brasil, diz levantamento

Resultado é fruto de esforço coletivo de entes públicos e privados, que atuam para prevenir mortes de crianças no Brasil com o uso de tecnologia e expertise médica

Por Diego Andrade

Relatório divulgado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) no primeiro semestre deste ano indica que a mortalidade infantil mundial atingiu sua mínima histórica em 2022. Conforme o documento, o número de crianças que morreram antes de completarem cinco anos caiu para 4,9 milhões em 2022, marcando um recorde. Além disso, a taxa global de mortalidade infantil abaixo dos cinco anos diminuiu 51% desde 2000, enquanto no Brasil a queda foi ainda mais acentuada, atingindo 60% no mesmo período.

A PBSF (Protecting Brains & Saving Futures), empresa brasileira cuja missão é revolucionar o cuidado neurológico de recém-nascidos de alto risco no mundo todo, tornando-o mais acessível, eficiente e preciso, tem sido parte relevante desse esforço coletivo para melhorar o atendimento aos recém-nascidos no país, prevenindo mortes e sequelas por meio de um modelo de saúde digital inovador, que utiliza uma central de monitoramento, equipes especializadas e ferramentas de inteligência artificial para assistir 50 UTIs neonatais em diversas regiões brasileiras. Esta iniciativa já prestou assistência a mais de 11.000 bebês, com monitoramento de sinais cerebrais superior a 700 mil horas.

“Entre os pacientes de risco monitorados estão bebês com asfixia perinatal (falta de oxigenação ao nascimento), prematuridade, malformação cardíaca e infecções. Estamos falando da possibilidade real de detectar convulsões e outros agravos clínicos potencialmente fatais, de forma precoce, preservando a vida e a integridade do cérebro das crianças. Este é um avanço muito importante e que atualmente está disponível em maternidades públicas e privadas do país”, detalha o Dr. Gabriel Variane, neonatologista e fundador da PBSF.

Uma das maiores causas de morte

A asfixia perinatal é considerada, pela OMS, como a terceira maior causa de mortes em recém-nascidos em todo o mundo, representando 23% do total. No Brasil, estima-se que 20 mil crianças nasçam, todos os anos, com falta de oxigenação no cérebro. Esta situação pode ocorrer antes, próximo ao nascimento ou logo depois. Além do risco de morte, este problema também pode causar lesões cerebrais em bebês com idade gestacional entre 37 e 42 semanas.

Detector de crises

Um exemplo do impacto desse modelo de assistência é a redução dos índices de mortalidade infantil em três cidades com grandes maternidades públicas na Baixada Santista, que utilizam o sistema da PBSF. Essa atuação ganhou destaque internacional em um artigo publicado no JAMA Network Open em 2023, que descreveu a maior coorte de recém-nascidos com asfixia perinatal submetidos a monitoramento cerebral com ferramentas de saúde digital, originada no Brasil.

No estudo, 872 bebês foram monitorados, dos quais 296 (33,9%) apresentaram crises epilépticas. Desses bebês com crises, 89% tiveram crises subclínicas, sem sinais físicos, diagnosticadas apenas através do monitoramento.

“É importante destacar que a mortalidade neonatal é o principal fator contribuinte para a mortalidade infantil. Ações durante a gravidez, parto e os primeiros dias de vida podem ajudar a reduzir ainda mais esses índices. Acreditamos que, com o avanço da tecnologia, incluindo a análise de múltiplas informações simultaneamente, o uso de inteligência artificial e ferramentas de realidade imersiva, podemos contribuir progressivamente para a redução destas mortes de recém-nascidos no Brasil e no mundo”, finaliza.

Sobre a PBSF

A PBSF (Protecting Brains & Saving Futures) é uma empresa nacional que tem o objetivo de promover o conceito de UTI Neonatal Neurológica Digital (UTI Neon) nas maternidades e hospitais, por meio monitoramento neurológico remoto 24×7, que resulta em diagnóstico e tratamento precoce de lesões cerebrais em recém-nascidos de alto risco, capaz de evitar sequelas neurológicas. Com a maior rede de neuromonitorização neonatal descrita no mundo, tem a missão de reduzir a zero o número de pessoas com deficiências evitáveis no mundo.

 

CDI Comunicação

About rosano

Check Also

Com19 ouros, Brasil encerra melhor campanha dourada em Mundiais de atletismo paralímpico

Em nove dias de disputas em Kobe, no Japão, a delegação brasileira ficou apenas um ...