Home / Nacional / Temer: Mercosul receberá Venezuela de volta ‘de braços abertos’

Temer: Mercosul receberá Venezuela de volta ‘de braços abertos’

A

O presidente Michel Temer afirmou neste domingo que, após a suspensão da Venezuela do Mercosul, o bloco regional espera que o país “volte à democracia” para recebê-lo de volta “de braços abertos”.

“Esperamos que a Venezuela encontre o caminho para a recomposição da ordem democrática, do respeito à diversidade de visões e posições”, disse o presidente em um vídeo publicado nas redes sociais.

“Queremos uma Venezuela que, de volta à democracia, possa também voltar ao Mercosul, onde será recebida de braços abertos”, acrescentou.

Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai, membros fundadores do Mercosul, decidiram de forma unânime no sábado suspender a Venezuela, aplicando pela segunda vez na história do bloco a chamada “cláusula democrática”.

“A suspensão da Venezuela foi aplicada em função das ações do governo de Nicolás Maduro e é um chamado ao início imediato de um processo de transição política e restauração da ordem democrática”, ressaltou o comunicado assinado após uma reunião dos chanceleres dos quatro países sul-americanos em São Paulo.

Na prática, a decisão aplicada muda pouco ou nada na situação do país caribenho, que está suspenso do Mercosul desde dezembro de 2016 por descumprir obrigações comerciais contraídas quando se incorporou ao bloco.

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, disse que seu país “nunca” será afastado do bloco e reagiu à medida com duras críticas.

“Não vão tirar a Venezuela do Mercosul. Nunca (…) Algumas oligarquias golpistas, como a do Brasil, ou uns miseráveis, como os que governam a Argentina, poderão tentar, mas sempre estaremos aí”, declarou Maduro à Rádio Rebelde da Argentina.

A crise venezuelana intensificou-se na semana passada com a eleição de uma Assembleia Constituinte, convocada por Maduro.

O órgão, um “suprapoder” instalado em meio a um forte repúdio internacional e a denúncias de “fraude”, decidiu que legislará por até dois anos – além do fim do mandato de Maduro – para reescrever a Carta Magna de 1999 e, ao mesmo tempo, tomar outras decisões de efeito imediato.

A onda de manifestações, impulsionada pela oposição para exigir a realização de eleições gerais e a saída do governo, deixou 125 mortos em quatro meses.

 

AFP

Twitter: @estrelaguianews

About admin

Check Also

A

Fogo em turbina faz voo da American Airlines retornar ao Rio de Janeiro

Um princípio de incêndio em uma das turbinas levou um avião da American Airlines, que ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *